• Jorge Talixa

Hospital detecta 462 casos de cancro da mama


Os serviços do Hospital de Vila Franca de Xira diagnosticaram, nos últimos cinco anos, 462 casos de pacientes com cancro da mama. Em média surgem 90 a 100 novos casos por ano, sobretudo em mulheres com idades entre os 50 e os 80 anos. A realização de mamografias de rotina é fundamental para a identificação de novos casos e a sua detecção precoce é muito importante para o tratamento. “Cancro da mama: da imagiologia à patologia – uma

relação de confiança” foi o tema de um colóquio promovido, no passado dia 1, no auditório do Centro Reynaldo dos Santos do Hospital de Vila Franca de Xira. Perto de uma centena de profissionais reflectiram sobre o trabalho desenvolvido e sobre experiências de outras unidades hospitalares. Sofia Loureiro, em representação do Serviço de Anatomia Patológica do Hospital vila-franquense, explicou que há um registo de aumento do número de casos

de cancro da mama. Nos últimos 5 anos, este serviço hospitalar diagnosticou um total de 462 casos, numa média anula da ordem dos 90 a 100 novos casos. “É o cancro mais frequente na mulher e nestes 462 casos a maior incidência dá-se entre os 60 e os 69 anos, seguida pela faixa etária dos 50 aos 59 anos”, observou. Já Zita Seabra abordou o trabalho feito no serviço de imagiologia nesta área do cancro da mama. Entre 2016 e 2018 foram feitas

644 biópsias a 476 doentes, sendo 468 mulheres e oito homens. De acordo com a especialista, 374 destes exames resultaram num diagnóstico de tumor maligno, o que corresponde a cerca de 58 por cento. “Esta percentagem tem vindo a evoluir, tivemos uma menor percentagem de malignos em 2016 por comparação com 2018”, referiu. Vários especialistas participantes insistiram na importância do diagnóstico precoce e da realização regular de mamografias.

Saiba mais na Edição impressa de 13 de Fevereiro do Voz Ribatejana

Tags:

Contador de Visualizações