• Jorge Talixa

Farense trava sonho de subida do Vilafranquense


Fotos: Carlos Moita Pedroso

Vilafranquense e Farense empataram a 1 golo na tarde de domingo, resultado que afastou a equipa ribatejana do sonho de subida à II Liga. O jogo foi muito disputado, mas os algarvios revelaram-se mais experientes e mais tranquilos com o 3-0 de vantagem que traziam da primeira-mão. Já depois do jogo registaram-se alguns confrontos entre a PSP e adeptos do Farense, com a força policial a explicar que se limitou a impedir eventuais conflitos entre apoiantes das duas equipas.

A partida, decisiva para o futuro próximo das dois clubes, encheu completamente as bancadas do Campo do Cevadeiro. No Vilafranquense notava-se o regresso do lateral Tiago Cerveira e a aposta na integração do extremo Jacinto no onze inicial. Começou melhor o Farense, com bolas metidas em profundidade pelos extremos, mas, pouco a pouco, o Vilafranquense equilibrou a contenda e passou a criar mais perigo.

Os algarvios traziam, no entanto, a lição bem estudada. A equipa é muito experiente, conta com nomes como Jorge Ribeiro e Neca, que já andaram longos anos na I Liga, e soube controlar as principais figuras e as tentativas de ataque do Vilafranquense. Até ao intervalo raras foram as oportunidades de golo para os dois lados. E com menos 45 minutos para jogar e para recuperar da desvantagem de três golos,

a equipa de Vila Franca de Xira teve que arriscar mais. Entrou Marocas para o lugar de Izata e, pouco depois, cabeceou com perigo sobre a barra. Ao minuto 51, o perigo voltou a rondar a baliza algarvia, com três remates consecutivos rechaçados pela defesa visitante. O técnico Vasco Matos voltou a tentar mudar alguma coisa com a entrada de Ragner, mas, ao minuto 68, surge o balde de água fria para a equipa de Vila Franca.

Denis demonstra algumas dificuldades na perseguição a um avançado contrário e Ruben Freitas resolve. Mas o central Denis ressente-se de dores musculares e, logo a seguir, tem dificuldade em reagir a um ataque contrário. A bola sobra para Nuno Borges que mete na pequena área, onde André Vieira desvia para o fundo da baliza. A perder por 0-1 e obrigado a marcar cinco golos em 20 minutos, o Vilafranquense percebeu que já pouco podia fazer.

Dez minutos depois, Luquinhas fugiu pela direita e conseguiu cavar uma grande-penalidade que David Moura converteu com a habitual eficiência. Até final o resultado não voltou a alterar-se, com equipa a adeptos do Farense a festejarem a subida no relvado do Cevadeiro. A dada altura, a PSP reagiu ao avanço de adeptos algarvios em direcção aos adeptos do Vilafranquense. A direcção do Farense falou de violência desajustada. A PSP garante que se limitou a impedir eventuais conflitos entre adeptos dos dois clubes.

Saiba mais na edição impressa de 6 de Junho do Voz Ribatejana

Contador de Visualizações