top of page
banner_178 x66 mm_Voz Ribatejana_compressed-page-001_edited.jpg
Voz Ribatejana_178mmX66mm_Passerelle2024_Prancheta 1.jpg
Banner Festas Alverca.png
  • Foto do escritorJorge Talixa

Julgamento traz novos dados sobre homicídio de Luís Grilo


O julgamento da advogada Tânia Reis e do consultor forense João Sousa, que está a decorrer no Tribunal de Vila Franca de Xira, tem revelado novos dados sobre o caso principal do homicídio do triatleta Luís Grilo que lhe deu origem. Em causa neste julgamento está a “descoberta” de um orifício na banheira da vivenda onde viviam Luís Grilo e Rosa Grilo, já cerca de ano e meio depois do homicídio do triatleta e empresário.


Na sessão desta sexta-feira foram ouvidos o filho, o ex-amante e o pai de Rosa Grilo e o advogado que representa João Sousa anunciou a apresentação de uma denúncia na Procuradoria-Geral da República contra um procurador da república do DIAP de Vila Franca de Xira e contra inspectores da Polícia Judiciária.


A existência do orifício foi revelada, a 14 de Fevereiro de 2020, por Tânia Reis e João Sousa (então advogada e consultor de Rosa Grilo). Mas o Ministério Público não deu crédito à sua versão e, com base nas perícias realizadas no local pela Polícia Judiciária no verão de 2018 (Luís Grilo desapareceu em Julho de 2018 e o seu corpo foi encontrado dois meses depois), acusou a advogada e o consultor forense da prática de um crime de plantação de provas.


Na sessão desta sexta-feira, António Joaquim (funcionário judicial, amante de Rosa Grilo e actualmente a cumprir pena de 25 anos por alegado envolvimento no homicídio), afiançou que só a sua mãe e Rosa Grilo tinham chaves da sua casa. “Fui proprietário de uma arma CZ (alegadamente utilizada no homicídio), registada na PSP, que foi apreendida.


Ela tinha conhecimento de tudo e tinha chave da minha casa”, explicou, frisando que Rosa sabia onde a arma e as caixas de munições estavam guardadas, mas que não sabe como é que alguns invólucros de bala desta arma foram parar a casa de Rosa Grilo.


Miguel Santos Pereira, advogado que representa João Sousa, revelou, depois, em audiência, que apresentou uma denúncia contra inspectores e peritos da PJ e contra o procurador do Departamento de Investigação e Acção Penal de Vila Franca que elaborou o despacho de acusação por alegada “plantação de provas”.


O causídico juntou um requerimento onde afirma que pela sucessão de fotografias apresentada é possível verificar que a marca do tiro na banheira já existia quando, a 20 de Julho de 2018, a PJ fez as primeiras perícias na vivenda do casal Grilo. “Aquele disparo na banheira foi dado pela senhora Rosa Grilo para testar a arma”, afirmou Miguel Pereira.


Saiba mais nas edições impressas do Voz Ribatejana


Tags:

Comments


03_Eleicoes_Europeias_Imprensa_Digital_Regional_300x250.jpg
Romaria Alcame-2.jpg
Ver para topo quadrado ou sitio do Josal2.jpg
christmas-1089310_960_720_edited.jpg
Loja G Site VR-page-001.jpg
VOZ_ONLINE-178x66mm.jpg

VR Solidário

15jun24 Colheita de Sangue Alhandra.jpg
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga o Voz Ribatejana
  • Facebook - Black Circle
Facebook
  • YouTube - Black Circle
YouTube
Arquivo do Site

Contador de Visualizações

bottom of page