• Jorge Talixa

Gonçalo Ramos “trama” Vilafranquense


Seis meses depois, os jogos da II Liga voltaram aos relvados portugueses. Mas a primeira jornada ficou, desde logo, marcada pelo adiamento de duas partidas, devido à detecção de casos de covid-19 no Desportivo de Chaves e no Académico de Viseu. Já a União Desportiva Vilafranquense, com um plantel muito remodelado,

visitou o Benfica B e perdeu por 3-2, num jogo em que jovem Gonçalo Ramos foi decisivo, com dois golos e uma assistência. No próximo fim-de-semana, a UDV recebe, em Rio Maior, o Feirense. Uma boa exibição do jovem Gonçalo Ramos (19 anos) foi decisiva para o desfecho do Benfica B-Vilafranquense, disputado no domingo, a contar para a primeira jornada da nova época da II Liga.

Uma partida que se adivinhava difícil, mas onde a União Desportiva Vilafranquense poderia ter chegado um pouco mais longe. Começou mal o jogo para a equipa de Vila Franca de Xira que, logo ao minuto 4, sofreu o primeiro golo. O sérvio Ilija Vukotic conseguiu levar a bola à linha de fundo e cruzou atrasado para Gonçalo Ramos,

que não se fez rogado e atirou para o fundo das redes defendidas pelo brasileiro Bruno Ferreira. Reagiu o Vilafranquense e, pouco depois da meia-hora, André Dias, que também se estreava na equipa principal de Vila Franca restabeleceu a igualdade, na sequência de um cruzamento de Vítor Bruno.

O Benfica manteve algum domínio de jogo mas, pouco a pouco, o Vilafranquense foi equilibrando a contenda, numa toada que se manteve no arranque da segunda parte. Mas, logo ao minuto 56, Gonçalo Ramos voltou a marcar, desviando a bola do guardião Bruno Ferreira, depois de um cabeceamento de Tiago Araújo. Seis minutos depois,

Vukotic, sempre muito mexido, fez o 3-1. Bruno Ferreira falhou a bola e Gonçalo Ramos “ofereceu” o golo ao sérvio Vukotic. Já ao minuto 78, o Vilafranquense ainda conseguiu reduzir por intermédio de Kady. A equipa de Vila Franca de Xira tentou, depois, pressionar em busca da igualdade, mas não teve sucesso.

Quim Machado, técnico da UDV SAD, considerou que o empate poderia ter sido o resultado mais justo, tendo em conta o desempenho das duas equipas, mas admitiu que o Vilafranquense teve “pouca bola”, situação que pretende corrigir nos próximos jogos.

Saiba mais nas edições impressas do Voz Ribatejana e da Vida Ribatejana

Contador de Visualizações