• Jorge Talixa

Vialonga perde pelotão de intervenção da GNR


O Pelotão de Intervenção da GNR que estava sedeado, desde Novembro de 2007, na vila de Vialonga, foi transferido, recentemente, para a vizinha localidade de São Julião do Tojal, já no concelho de Loures. A medida gerou alguma surpresa em Vialonga.

O Comando-Geral da GNR justifica a decisão com uma concentração de efectivos que permitirá libertar mais militares para patrulhamento. Embora Vialonga mantenha os serviços do Posto Territorial e a sede do Destacamento de Vila Franca de Xira da GNR,

o certo é que o pelotão de intervenção assegurava um maior número de patrulhas nesta zona do concelho vila-franquense e aumentava a capacidade de resposta para situações de emergência. Também por isso, a decisão de retirar o PIR (Pelotão de Intervenção Rápida) da vila gerou desagrado.

O Comando-Geral da GNR, em resposta ao Voz Ribatejana, confirma a mudança, vincando que este “Pelotão de Intervenção” é uma subunidade que integra o Destacamento de Intervenção do Comando Territorial de Lisboa e é composto por 12 militares. “Foi, efetivamente, deslocalizado de Vialonga para São Julião do Tojal.

Com esta transferência de instalações, foi possível garantir uma racionalização de meios humanos, permitindo um aumento do número de militares afetos à atividade operacional, o que se traduz num aumento do número de patrulhas”, garante o Comando-Geral da GNR,

não esclarecendo se as condições de funcionamento também tiveram alguma influência na decisão, uma vez que a unidade de intervenção funcionava em lojas adaptadas de um prédio de Vialonga. A unidade de Vialonga do PIR começou por funcionar com 26 efectivos e duas carrinhas e estava, ultimamente, reduzida a 12 militares.

Saiba mais nas edições impressas do Voz Ribatejana

Contador de Visualizações