Vítimas da legionella põem Estado em tribunal

08/10/2019

A Associação das Vítimas da Legionella de Vila Franca de Xira vai pôr o Estado português em tribunal, considerando que terão existido falhas na investigação do surto de 2014 e no acompanhamento hospitalar das vítimas. A acção deverá ser entregue em

 

tribunal nas próximas semanas. Se não tiver evolução favorável, segundo o presidente da AVLVFX, o passo seguinte será avançar para uma acção no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem contra o Estado português. O Tribunal de Loures decidiu, entretanto,

 

arquivar as queixas de vítimas que não viram reconhecida a estirpe detectada na ADP. As empresas citadas na acusação garantem, por seu turno, que 32 das 73 vítimas com a mesma estirpe identificada já terão aceite propostas de indemnização extra-judicial. O surto de Vila Franca, ocorrido em Novembro de 2014, infectou 403 pessoas e causou 14

 

vítimas mortais, sendo considerando o terceiro  mais grave de sempre em todo o Mundo. “Já decidimos, em reunião de direcção, que vamos avançar com uma acção popular contra o Estado português”, disse o presidente da AVLVFX, Nuno Silva, ao Voz Ribatejana, vincando que, depois de finalizados os prazos da acção popular, se o

 

processo não tiver um seguimento favorável, o próximo passo será apresentar uma acção contra o Estado português no Tribunal Europeu. Nuno Silva tem consciência de que estes são processos sempre demorados e que a Associação tem poucos meios, mas considera que a culpa não pode morrer solteira. “Já passaram quase cinco anos e,

 

até hoje, as vítimas nunca tiveram qualquer tipo de apoio. Houve pessoas que perderam a vida e muitas outras ficaram com mazelas para o resto da vida. Houve pessoas que tiveram que pagar 15 mil euros pelos tratamentos em hospitais e continuam a precisar de tratamentos e acompanhamento médico. Na própria decisão

 

de arquivamento de que tivemos agora conhecimento, a juíza aponta falhas ao Ministério Público, põe o Ministério Público em causa. Isso também dá razão à nossa ação contra o Estado”, sublinha Nuno Silva, apontando igualmente eventuais falhas na fiscalização das empresas onde foi detectada a legionella e pelo facto de não terem

 

sido recolhidas amostras para identificar a estirpe contaminante. “O que acabamos por concluir é que, em Portugal, o que começa mal nunca vai acabar bem. Mas vamos deixar finalizar os prazos da acção popular contra o Estado e, depois, provavelmente vamos recorrer ao Tribunal Europeu. Não vamos é nunca deixar cair este caso”, garante Nuno Silva.

 

Saiba mais na edição impressa de 2 de Outubro do Voz Ribatejana

 

Tags:

Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter
Please reload

Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Please reload

Siga o Voz Ribatejana
  • Facebook - Black Circle
Facebook
  • YouTube - Black Circle
YouTube
Arquivo do Site
Please reload

Contador de Visualizações

© 2017 por Voz Ribatejana. Todos os direitos reservados.

Informações

Voz Ribatejana - Quinzenário regional

Sede da Redacção e Administração: Centro Comercial da Mina, Loja 3 - Apartado 10040 / 2600-126 Vila Franca de Xira Telefone geral – 263 281329

Correio Electrónico: vozribatejana@gmail.com director.vozribatejana@gmail.com redaccao.vozribatejana@gmail.com comercial.vozribatejana@gmail.com
Proprietário: Jorge Humberto Perdigoto Talixa

Editor: Voz Ribatejana, Lda

Director: Jorge Talixa (carteira prof. 2126)

Editor Multimédia: Rui Miguel Ferreira Talixa

Redacção: Carla Ferreira (carteira prof. 2127), Joel Balsinha, Hugo Clarimundo, Jesus Lourenço, Hipólito Cabaço, Paula Gadelha (cart. prof 9865)

Área Administrativa e Comercial: Isabel Pinto, Júlio Pereira (93 88 50 664), Afonso Braz (93 66 45 773), Carlos Pinto (96 44 70 639)

Assinaturas: Portugal – 1 ano (24 números) 12 euros - Resto da Europa - 1 ano 40 euros Registo de Imprensa na ERC: 125978

Impressão: Coraze
Redacção: Centro Comercial da Mina, Loja 3 2600 Vila Franca de Xira - Telefone - 263 281 329 . Telemóvel - 96 50 40 300