• Jorge Talixa

200 reclamam conclusão de obras na Avenida dos Combatentes


Um abaixo-assinado com 202 subscritores foi entregue, recentemente, na Junta de Vila Franca de Xira, reclamando a conclusão das obras realizadas na Avenida dos Combatentes, no centro da cidade vila-franquense. O documento, promovido pela CDU da Freguesia de Vila Franca, lamenta “os prejuízos causados pela obra inacabada nesta artéria da cidade” e exige medidas da Câmara e da Junta vila-franquenses. A edilidade de Vila Franca explica que foram programadas duas intervenções distintas. A primeira já foi concluída pelos SMAS e

envolveu a renovação de condutas. A segunda, da responsabilidade da Câmara, deverá avançar depois do Colete Encarnado. “A Câmara e os SMAS executaram uma obra de requalificação do saneamento básico da Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, que durante mais de 3 meses impossibilitou o normal acesso dos seus moradores, comerciantes e população. Finalizadas as obras, em Março de 2019, a avenida foi reaberta e, apesar de todos os que ali vivem e trabalham terem sentido um alívio da tormenta que viveram, subsistem problemas que

urge resolver de imediato”, sustenta a CDU de Vila Franca de Xira, considerando “inaceitável o estado em que se encontram a avenida e os passeios, completamente destruídos, sendo inadmissível que permaneçam sem qualquer perspectiva de recuperação”, refere a estrutura local da coligação liderada pelo PCP. “Os moradores, os comerciantes, a população da freguesia e os que nos visitam têm direito de usufruir de uma avenida e de passeios

em condições”, prossegue a CDU. José António Oliveira, vice-presidente da Câmara de Vila Franca de Xira e responsável pelo pelouro das obras, explicou, por seu turno, ao Voz Ribatejana, que aquela obra foi dividida em duas partes. “A parte do saneamento e de água já foi executada pelos SMAS. E, agora, vem a parte da Câmara, com os passeios e o arranjo da rua. Essa empreitada irá ser executada brevemente. Não vai ser necessário voltar a

abrir valas, a nível do subsolo não é necessário fazer mais nada. Tivemos o cuidado de informar os moradores destas duas fases da obra”, garante José António Oliveira, que assegura que não estão em causa atrasos nos procedimentos, mas sim a necessidade de aguardar pela introdução do saldo de gerência de 2018 no orçamento municipal de 2019.

Saiba mais na Edição impressa de 19 de Junho do Voz Ribatejana

Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga o Voz Ribatejana
  • Facebook - Black Circle
Facebook
  • YouTube - Black Circle
YouTube
Arquivo do Site

Contador de Visualizações