• Jorge Talixa

Proposta de alterações na Malva Rosa gera dúvidas


O executivo camarário de Vila Franca de Xira elaborou uma proposta de alteração do uso do solo em duas áreas importantes da urbanização da Malva Rosa. O estudo já foi apresentado aos moradores, mas gera dúvidas e alguns dos residentes insistem na necessidade de criar mais lugares de estacionamento na urbanização alverquense. No essencial, a proposta camarária aponta para a transferência de espaços desportivos previstos para o topo da urbanização para junto do estabelecimento MacDonald’s e da Estrada Nacional 10 (EN 10).

E prevê, igualmente, a construção de edifícios com um total de 175 apartamentos e de um hotel na parte alta da urbanização de onde poderão sair os tais campos desportivos. No entender do executivo municipal (PS/Coligação Mais), esta alteração beneficiará bastante a urbanização, permitindo que a zona junto à EN 10 não fique tão sobrecarregada como está previsto no projecto actual, que contempla, ainda, a possibilidade de instalação de mais actividades económicas à beira da EN 10. Alberto Mesquita, presidente da edilidade vila-franquense, recorda

que o projecto inicial previa prédios na zona mais alta e que, devido à chamada servidão aeronáutica, esse projecto foi “completamente alterado” em 2001. Com isso, entende Alberto Mesquita, “perdeu-se uma boa oportunidade de ter uma urbanização mais equilibrada”. Mas, segundo o autarca do PS, percebeu-se que é possível, agora, que os prédios que foram, então, recolocados na parte mais baixa da Malva Rosa voltem a ser deslocados para a parte mais alta. “É, no fundo, tentar recuperar um pouco aquilo que acontecia, porque tirar os

prédios de cima e pô-los cá em baixo não foi uma boa coisa. Tendo nós agora essa possibilidade de os recolocar na parte superior da urbanização e tendo um investidor disponível para o efeito, vamos tentar perceber se é uma solução interessante que vale a pena desenvolver”, explicou o edil. Esta iniciativa, acrescentou Alberto Mesquita, está ainda numa fase inicial e não é garantido que vá evoluir. “Se evoluir, haverá um momento em que virá a reunião de Câmara uma proposta para discutirmos e para colocar em consulta pública. Nessa altura todos se

podem manifestar e podem dizer o que lhes aprouver. Até lá ainda há muito caminho a fazer”, constatou o presidente da Câmara. Já Bruno Oliveira, residente na Malva Rosa, observou, em recente sessão camarária, que a proposta que a autarquia apresentou aos moradores prevê a deslocação de prédios e de uma unidade hoteleira para a zona mais alta para onde estavam previstos campos desportivos. Na zona mais baixa ficariam, assim, os espaços desportivos e 181 lugares de estacionamento. “Todos sabemos, autarcas e moradores, que é insuficiente,

considerando os lugares de estacionamento em falta na urbanização e os fogos adicionais propostos. A proposta reduz, também, as áreas de equipamento desportivo e as zonas verdes. Falava-se de 6000 metros quadrados de equipamentos desportivos e a proposta passa para um terço. Estamos disponíveis para conversar, mas a proposta deve resolver os problemas da urbanização. Esta proposta é o pior não fica, mas altera de forma muito profunda a urbanização. Esta proposta de pior não fica não é suficiente. Desafio a Câmara a fazer uma proposta que resolva efectivamente os problemas”, sustentou Bruno Oliveira.

Saiba mais na Edição impressa de 18 de Julho do Voz Ribatejana

Contador de Visualizações